ArquivoAntigo

Procure '

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Alguém toca meu braço. Eu me viro, é ela mesma. Sou eu mesmo. Somos nós, os coadjuvantes. Um buraco negro e ventoso se abre no meu peito. Os olhos dela quase explodem e as pupilas por pouco não saem quicando pelo assoalho gordurento do bar. Não pode ser. Mas é.
Postar um comentário